Loot boxes: Bélgica proíbe e lança aviso

54

Foi notícia há poucos dias, no final de abril. As autoridades da Bélgica determinaram que as loot boxes são elementos semelhantes a jogos de azar e deverão ser retiradas dos respetivos videojogos, sob pena de multas e até prisão para os responsáveis das desenvolvedoras que não cumprirem. “Overwatch”, “Fifa 18” e “Counter-Strike: Global Offensive” foram referidos.

O problema com as loot boxes

Imagine que seu filho adolescente fazia uma busca na internet por cassino brasil, encontrava uma plataforma de caça-níquel e começava jogando. Uma ficha de cada vez, com um pequeno pagamento de cada vez, tentando alcançar um prêmio bom desse jeito. Acha isso uma boa atividade para ele?

Na prática, é isso que está acontecendo em um grande número de videogames, e a polêmica com Fifa 18 pode ser especialmente intensa. Os jogadores são convidados a fazer pequenos pagamentos para conseguirem itens, que podem ser só de cosmética ou podem mesmo melhorar suas performances no jogo. Só que não são comprados; sua atribuição é randomizada. Esses sistemas variam um pouco, de jogo para jogo, mas este princípio de “odds” e de randomização é demasiado semelhante ao de um jogo de azar.

Críticas em vários países

As críticas já duram há vários meses. A Bélgica tinha sido um dos primeiros países cujo governo tinha deixado críticas bem fortes ao setor dos videojogos. Nos Estados Unidos, o Entertainment Software Rating Board, um órgão de autorregulação da indústria, foi “interrogado” por uma senadora que pediu explicações e medidas para proteger os usuários. Da Austrália, depois de uma reportagem de um grande órgão de mídia nacional, veio uma das críticas mais curiosas. Um jovem senador de apenas 24 anos (o mais jovem senador de sempre naquele país) veio para a mídia apoiar totalmente as denúncias e falou mesmo que seus colegas do Senado provavelmente estariam desatentos para o tema devido a sua idade; para eles, os videojogos estariam ainda “na época do Pacman”.

As desenvolvedoras estão recuando

Apesar de ter saído um estudo recente, divulgado pela Juniper Research, apontando que as loot boxes são o principal elemento para a monetização dos videogames nos próximos anos, o fato é que a polêmica parece estar fazendo as desenvolvedoras recuar. Junto com as proibições e ameaças de regulação dos governos (que podem virar preocupação, principalmente, nos Estados Unidos), as empresas estão preocupadas com a opinião dos usuários. E nem o fato de as loot boxes poderem gerar muita receita em países que estejam fora da polêmica, como a China (referenciada no estudo da Juniper Research), pode deixar as empresas relaxadas; as autoridades podem proibir a atividade sem qualquer aviso, como aconteceu precisamente na China com o poker online.

O fato também é que “ShadowofWar” deixará de ter loot boxes até julho, depois da desenvolvedora MonolithProduction ter anunciado que tinha “ouvido a comunidade de usuários” e ter reconhecido que o sistema de loot boxes estava “desvirtuando o jogo”.